Escolha seu país ou região.
Brasil Brasil Ok Change
 E-Mobility leve como uma pena

As molas de ar atendem a diferentes requisitos de e-mobilidade

Home Mídia Stories E-Mobility leve como uma pena

E-Mobility leve como uma pena

A transformação para a mobilidade urbana sustentável já começou e um componente desempenha um papel fundamental nisso.

E-mobility

Quem já esteve na estrada na hora do rush, em meio a todo o barulho do trânsito e gases de escape, pode ter se perguntado: quando será que vai começar, finalmente, a transformação para uma mobilidade urbana mais sustentável? Com mais de meio milhão de ônibus elétricos atualmente nas estradas do mundo, provavelmente já começou.

Metrópoles chinesas mostram o caminho

A cidade de Shenzhen, no sul da China, é um excelente exemplo. Cerca de 12 milhões de pessoas vivem aqui – mais do que em Londres ou na cidade de Nova York – e o Delta do Rio das Pérolas tem uma população total de cerca de 45 milhões de pessoas. Não é surpresa alguma que o tráfego seja um desafio aqui, é por isso que a cidade decidiu há alguns anos repensar completamente o conceito de transporte local. O resultado: em apenas oito anos, a cidade eletrificou toda a sua frota de mais de 16.000 ônibus de transporte público local. Isso reduziu as emissões de CO2 em mais de 1,3 milhão de toneladas por ano, melhorou os níveis de ruído na cidade e aumentou a segurança geral e o conforto para os passageiros de ônibus.

Resiliente e flexível

Quando se trata de conforto e segurança em ônibus, um componente em particular desempenha um papel importante: a mola de ar. O sucessor da tradicional mola de lâmina de aço amortece eixos, cabines e até mesmo bancos do motorista há décadas. E por um bom motivo: além de resistir a altas temperaturas ou umidade, as molas de ar podem se adaptar à respectiva carga, mantendo sua frequência natural constante. Isso significa que o conforto e a segurança permanecem os mesmos, independentemente de o ônibus estar com sua capacidade máxima durante a hora do rush ou transportando apenas alguns passageiros à noite.

Desafio especial devido à e-mobilidade

E-mobility

O que parece tão simples na prática requer muito conhecimento técnico para ser implementado. Há desafios adicionais, especialmente na área de e-mobilidade.

Em primeiro lugar, o peso: com baterias de até 450 quilos, um ônibus elétrico pesa três toneladas a mais que seu antecessor movido a diesel, dependendo de seu tamanho, alcance e outros parâmetros – um fardo adicional para nossas molas de ar. Por outro lado, as baterias dos ônibus são montadas no teto e não sob a cabine de passageiros como nos carros elétricos. Isso também tem vantagens: quanto menos componentes sob a cabine de passageiros, mais baixo será o piso e maior será a acessibilidade, sem vãos ou degraus. Além disso, os fabricantes têm mais flexibilidade no design de interiores, por exemplo, instalando janelas maiores. Por fim, a posição na parte superior facilita o gerenciamento da temperatura, tornando mais fácil dissipar o calor gerado pelas baterias – um fator importante, uma vez que as baterias elétricas operam de forma mais eficiente entre 20° e 40 °C.

Desafio sim, obstáculo não

E-mobility

A desvantagem, entretanto, é o efeito na estabilidade e estática do ônibus e, portanto, na segurança e no conforto dos passageiros. O peso adicional no teto aumenta o ponto de equilíbrio geral, o que aumenta as forças que atuam no ônibus durante os movimentos de rolamento e sacudida – física básica. Para garantir que o ônibus ainda permaneça estável nas curvas ou ao frear, as molas de ar do eixo devem absorver essas forças maiores. E é por isso que os veículos comerciais em e-mobilidade precisam de molas de ar com um diâmetro maior que possam suportar essas forças com a maior rigidez possível. É aqui que nossos muitos anos de experiência em materiais entram em jogo: nossos especialistas trabalham no design ideal e em materiais especiais de alto desempenho com as propriedades perfeitas para molas de ar.

Borracha e ar – o time dos sonhos da suspensão

Além do tamanho e da rigidez adequada já mencionados, a membrana do fole de borracha também deve ser flexível e resistente ao desgaste. Por esse motivo, a membrana geralmente consiste em um composto especial à base de borracha natural ou sintética e uma tela sintética de duas camadas. Como a eficiência energética e as emissões de CO2 são aspectos importantes da e-mobilidade, também desenvolvemos uma mola de ar leve com um inovador pistão rolante integrado feito de poliamida reforçada com fibra de vidro – em vez de aço ou alumínio. Isso nos permite alcançar uma economia de peso de até três quilogramas por módulo de mola de ar.

Assim, a transformação rumo a uma mobilidade urbana mais sustentável já começou faz tempo e a busca por melhorias está cada vez maior, assim como o papel de apoio da borracha e do ar.

Tópicos relacionados

Download