Escolha seu país ou região.
Brasil Brasil Ok Change
 Novas culturas exigem novas correias

Como acontece uma inovação agrícola?

Home Mídia Stories Novas culturas exigem novas correias

Novas culturas exigem novas correias

Os componentes agrícolas estão sempre em evolução. Nem sempre os humanos são os responsáveis pelo ímpet o original.

Pessoas passando por milharais com metros de altura ao final do verão muitas vezes desconhecem as vantagens  dessa planta de origem mexicana. Como alimento, ele acaba sendo grelhado em nossos pratos ou  indo para o sofá para deixar as noites de cinema muito mais saborosas. Convertido em biogás ou combustível, trata-se de uma das fontes de energia renovável do futuro. E, para muitos agricultores, garante que o gado tenha uma forragem nutritiva e rica em vitaminas, até mesmo no inverno. Não é de se admirar que uma das culturas mais antigas e produtivas do mundo seja do grão número um, à frente do trigo ou do arroz.

@ Piman Khrutmuang / AdobeStock

Mas, nos quase 7.000 anos em que o milho foi cultivado pela humanidade, a planta mudou significativamente: das espigas de apenas 2,5 centímetros de comprimento que cresciam em um pequeno arbusto às plantas atuais de alto desempenho com até três metros de comprimento e espigas de 40 centímetros. E, assim, nossos especialistas em desenvolvimento precisam fundamentar as respectivas inovações agrícolas não apenas nos desejos dos fabricantes e dos operadores de máquinas, mas também nas exigências da própria planta.

As plantas também têm necessidades

Quem se senta à mesa do desenvolvimento também precisa estar familiarizado com as várias plantas e a influência delas sobre um processo de colheita ideal. Isso porque mais de 60 por cento da colheita global de milho não termina na produção de alimentos, e sim cortada diretamente no campo para alimentar o gado como silagem . Com  os altos volumes e os períodos de colheita geralmente curtos, o apoio técnico durante a colheita não é apenas bem-vindo, e sim uma necessidade. Assim, as colheitadeiras de forragem são máquinas agrícolas de alto desempenho com demandas correspondentes sobre os componentes, que fabricantes como a Continental podem ajudar a desenvolver ainda mais.

Uma possibilidade, por exemplo, é uma guia e uma correia de admissão otimizadas. Isso prende a planta de milho individual a uma altura de aproximadamente 1,5 metro acima do solo, ajustada ao novo comprimento da planta e, assim, orienta perfeitamente para que ela entre na unidade de corte. Isso garante que os caules longos não obstruam a unidade de corte por um lado, mas que o mínimo possível da colheita útil permaneça no campo por outro.

Porém, além desse exemplo específico, existem outras correias que podem ser usadas em máquinas agrícolas. Para acionar unidades maiores, como as usadas na colheita de milho, as correias em "V" compostas, largas e robustas, transmitem cargas muito altas. Elas podem suportar bem a transmissão de potência desigual de um tambor de corte quando, repentinamente, precisa de um desempenho superior ou inferior por causa de mais ou menos colheita. E, assim, o ímpeto de uma inovação às vezes não está na tecnologia ou nas pessoas, mas surge de condições externas – a planta, as condições do solo e o volume da colheita.

Correias fortes tendo em vista mais sustentabilidade

Também importante no desenvolvimento de soluções de correia para a agricultura: fatores externos, como as tradições agrícolas individuais e o clima local. Na Ásia, por exemplo, os campos são  menos consolidados do que as grandes áreas cultivadas nos EUA. Dessa forma, não apenas as colheitadeiras no mercado asiático, mas também os respectivos componentes, precisam ser projetadas em tamanho menor. Além disso, as correias na China ou na Índia normalmente precisam suportar mais umidade, e o clima no meio-oeste norte-americano tende a ser seco e as temperaturas podem ficar bem abaixo de 0 grau Celsius no inverno.

@ Natascha / AdobeStock

O desenvolvimento de materiais desempenha um papel importante para encontrar a solução ideal . Se, por exemplo, os materiais à base de cloropreno utilizados anteriormente  forem substituídos por EPDM, a resistência à temperatura das correias aumentará. Além da resistência sob condições extremas, essas inovações têm outra vantagem: aquelas que produzem correias mais robustas que possam ser projetadas mais estreitas, ao mesmo tempo em que mantêm o mesmo desempenho, economizam muito material – e, assim, contribuem diretamente para mais economia em termos de recursos. Afinal, metas de sustentabilidade também podem levar ao desenvolvimento de novos materiais a serem usados na agricultura.

Transformação do velho no novo

Por fim, há outro ponto de partida para que engenheiros da Continental desenvolvam inovações para o setor agrícola: a substituição do velho pelo novo para proteger solo, plantas e máquinas. Para deixar o processo de colheita mais eficiente e produtivo. Ou para aumentar o conforto de agricultores e trabalhadores na colheita.

Por exemplo, o milho doce, cujas espigas não devem ser danificadas durante a colheita, é colhido inicialmente usando-se uma colheitadeira projetada especialmente para as plantas de dois metros de comprimento. No entanto, isso não apenas corta, mas também separa as espigas do caule e as transporta, ainda , até o recipiente de coleta. Até hoje, essa última etapa  era realizada usando correntes de aço pesadas, que exigem muita manutenção e podem danificar  as espigas. Hoje, essas correntes já estão sendo substituídas por uma correia equipada com pequenas protuberâncias , que apanham delicadamente as espigas e as transportam ainda além. Outra vantagem: diferentemente das correntes de aço, a manutenção da correia não requer óleo, o que, por sua vez, favorece o meio ambiente.

No entanto, com todos esses desenvolvimentos – sejam desencadeados pelo fabricante, por condições externas ou novas variedades de plantas –, é importante ter em mente que pode levar anos desde o primeiro impulso até o início da produção em série. Isso porque só existe uma janela de tempo curta para testes de campo sob condições reais de colheita. No entanto, essa  persistência compensa. Para a Continental, que pode fornecer aos fabricantes de máquinas agrícolas soluções de correia indicadas para cada aplicação. Para o fabricante, que oferece aos agricultores colheitadeiras mais eficientes e potentes. Para o agricultor, que aproveita ainda mais a produção para o gado. Para os animais, que recebem ração de alta qualidade durante todo o inverno. E para o consumidor final e a  incrível noite de cinema no sofá – com pipoca, claro.