Escolha seu país ou região.
Brasil Brasil Ok Change
 Semeando agricultura 4.0

Como os polivalentes eletrônicos garantem mais precisão no campo

Home Mídia Stories Semeando agricultura 4.0

Semeando agricultura 4.0

Pequenos mas versáteis: os sensores já poderiam proporcionar mais segurança, conforto e eficiência na agricultura.

Se formos honestos, quando pensamos em “agricultura”, muitas vezes pensamos em uma pequena casa de fazenda com um celeiro, algumas galinhas no quintal e uma dúzia de vacas no galpão ainda sendo ordenhadas à mão. No entanto, para poder alimentar a crescente população mundial, a agricultura foi praticamente obrigada a se transformar em uma indústria altamente eficiente nas últimas décadas. A digitalização também contribuiu para isso. Nesse aspecto, a indústria avançou consideravelmente. Porque além de trigo, milho e soja, cada vez mais agricultores estão colhendo outra coisa: dados. Sobre a saúde de seus leitões. Sobre a produção de leite individual de cada vaca. Sobre a saúde do casco dos cavalos. Sobre as condições do solo. E sobre a quantidade mínima de fertilizante necessária para a máxima qualidade da colheita. Os núcleos para todas essas informações são sensores.

Mais conforto para longos dias de colheita

Claro, nós da Continental não somos profissionais da pecuária. Mas nossos especialistas estão muito familiarizados com os sensores usados em aplicações agrícolas. Entre outras coisas, eles podem ser usados para tornar as molas pneumáticas analógicas do material rodante, cabines e assentos de máquinas agrícolas “inteligentes” e, assim, aumentar significativamente o conforto do operador. Um exemplo disso são as molas pneumáticas para o eixo dianteiro de tratores, das quais a Continental é o único fornecedor.

Semeando agricultura 4.0

Se esses sensores trabalharem em conjunto com outros componentes, por exemplo, válvulas e outros atuadores, bem como o software de controle apropriado, eles serão o primeiro passo para a Agricultura 4.0. Um exemplo concreto disso é o sistema Electronic Air Spring Damping system (eASD), um sistema de suspensão e amortecimento controlado eletronicamente para cabines de veículos que se adapta automaticamente às condições irregulares do solo, aumentando assim o conforto no futuro para todos aqueles que passam doze horas ou mais na direção de uma colheitadeira durante a época de colheita.

Pequenos, mas poderosos: os sensores já são polivalentes hoje

No entanto, eASD na agricultura ainda é uma coisa do futuro. Os sensores HPTA, por outro lado, já podem ajudar a resolver problemas importantes de eficiência e sustentabilidade na indústria hoje. Em inglês, HPTA significa “altura”, “pressão”, “temperatura” e “aceleração”. Dependendo da aplicação, eles podem medir apenas um desses valores, uma combinação de vários ou até mesmo todos os parâmetros.

Um exemplo concreto disso? Elementos hidráulicos são frequentemente usados em máquinas de semeadura e plantio para distribuir as sementes individuais. No entanto, esta tecnologia tem várias desvantagens: por um lado, há sempre a possibilidade de que o óleo hidráulico possa vazar, com consequências negativas para as plantas, o solo e o meio ambiente. Em segundo lugar, o próprio agricultor deve fazê-lo e definir a altura de plantio para um nível predefinido em uma escala de cinco etapas, que se aplica a todas as linhas de plantio das semeadoras. E, finalmente, essa configuração permanece inalterada, independentemente de como as condições do solo mudam ao longo do campo. Como resultado, a semente cara nem sempre é aplicada de maneira ideal na quantidade certa, na profundidade ideal de plantio ou com o espaçamento correto.

Semeando agricultura 4.0

No entanto, como as molas pneumáticas não requerem óleo, elas já são uma alternativa cada vez mais procurada para a tecnologia hidráulica. E, quando elas são equipadas com sensores HPTA, até 56 fileiras de plantio podem ser calibradas individualmente e com alta precisão com o toque de um botão após uma varredura inicial do solo. Além disso, elas podem se ajustar automaticamente à medida que progridem e compensar as diferentes condições do solo. Isso significa que a semente pode ser plantada tão profundamente em solo superficial solto quanto em solo firme.

Esta precisão torna-se ainda mais importante com pulverizadores de campo. Se os líquidos se concentrarem de forma desigual em um lugar e faltarem em outros, isso pode comprometer uma colheita inteira. Aqui as molas pneumáticas inteligentes também podem garantir que cada planta receba a quantidade certa de água. Além das diferentes condições do solo, nossos sensores detectam mudanças no peso do veículo, que continua a diminuir ao longo do tempo à medida que o líquido é descarregado do tanque. Molas pneumáticas ajustáveis ​​manualmente também têm sido usadas para este propósito até agora, o que poderia ganhar em precisão usando sensores HPTA.

Agricultura 4.0 não é ficção científica

Nos últimos dez anos, a tecnologia agrícola se desenvolveu muito com a ajuda da digitalização, e espera-se que isso continue. Hoje, os drones aéreos já são um meio muito usado para a inspeção de terrenos; sistemas de câmeras de 360 graus acoplados a máquinas agrícolas, como o ProViu 360 da Continental, dão aos agricultores uma boa visão geral da área circundante, e as modernas máquinas de colheita são monitoradas e mantidas operacionais com a ajuda da manutenção preditiva. A Integrated Sensor Technology continuará a impulsionar o desenvolvimento e aumentar ainda mais a automação, segurança, sustentabilidade e eficiência nas fazendas. Os agricultores deixarão de realizar muitas tarefas sozinhos e manualmente, mas monitorarão as máquinas de seus escritórios. Afinal, os sensores têm a sensação necessária.

Os cavalos também começaram recentemente a se beneficiar da digitalização feita em Hanover. Mantendo a tradição de 150 anos da Continental (o primeiro produto foi um amortecedor de casco feito de borracha) apresentamos pela primeira vez uma ferradura exclusiva. Ela é puxada sobre o casco do cavalo e um sensor integrado fornece indicações de pressões distribuídas irregularmente na sola. Isso permite que os ferreiros intervenham em um estágio inicial antes que surjam problemas de saúde e exijam tratamento veterinário demorado e caro. Além disso, os dados do sensor da ferradura facilitam o diagnóstico e a direção ideal da terapia. Talvez nos tornemos profissionais da pecuária, afinal.

Download