Superfícies sustentáveis para mobilidade e transportes

  • Contato

Neutralidade de carbono

Das emissões à excelência

Nós, como Continental, somos apaixonados não apenas pelo nosso negócio, mas principalmente pelo meio ambiente. É nosso dever e aspiração criar soluções de superfícies que sejam 100% neutras em carbono. Já alcançamos um sucesso considerável neste caminho para nossas linhas de produtos.
 
O caminho para produtos neutros em carbono requer esforços em muitas áreas: em matéria-prima, processos de produção e consumo de energia. Quanto ao design do nosso produto, a substituição da matéria-prima clássica à base de petróleo por matéria-prima de fonte biológica, de origem de CO2 e de matéria-prima circular é fundamental. A matéria-prima de fonte biológica e os produtos biodegradáveis formam a base perfeita para ciclos de vida de produtos ideais. Nossos processos são acompanhados por melhorias contínuas no que diz respeito ao uso de matérias-primas possivelmente críticas e à minimização do uso de solventes, emissões e odor.
 

Economia circular

Para vários ciclos de vida

A reciclagem é uma das formas mais comuns e eficazes de conservar os recursos. O próximo desenvolvimento da reciclagem é a economia circular:
Isso significa o uso de matérias-primas recicláveis para a produção de nossos materiais de superfície, bem como o conceito de reciclar resíduos de produção e os produtos finais no fim da vida útil.
Mas aqui ainda há alguns desafios a serem superados: por exemplo, fornecer produtos reciclados de alta qualidade constantemente. Já desenvolvemos inúmeros produtos que possuem essas propriedades e ainda oferecem o conhecido desempenho premium.
O uso de fontes de PET reciclado de alta qualidade para as bases têxteis de nossos materiais de superfície premium é um exemplo dessas conquistas. No que diz respeito à reciclagem no fim da vida útil, os conceitos de material único são usados tanto para nossos materiais de superfície quanto para as peças internas finais. Isso é economia circular na Continental.
 

Desempenho exclusivo do produto como facilitador

Projetado para ir além

A natureza mostra como funciona: cada planta e cada animal têm um talento único para se adaptar perfeita e harmoniosamente ao ciclo ambiental. Com um design de produto sustentável, nossos especialistas seguem este exemplo e desenvolvem soluções de superfícies continuamente inovadoras com características únicas de desempenho do produto. Com isso, nossas soluções possibilitam a realização de interiores de veículos sustentáveis e contribuem positivamente para o equilíbrio ecológico do veículo.
Por exemplo: Peso reduzido significa uma pegada de carbono reduzida no próprio produto e também no consumo de energia de um veículo. Nossas superfícies são otimizadas para desempenho máximo, sendo leves e robustas. Outra contribuição para a sustentabilidade é um ciclo de vida mais longo, também para aplicações de alto uso, principalmente para os conceitos de mobilidade compartilhada. Com nossa tecnologia staynu®, tornamos as superfícies insensíveis à tensão mecânica, sujeira e uso repetido de detergentes e oferecemos superfícies extremamente duráveis, prolongando significativamente sua vida útil.  

GWP100 Índice de Potencial de Aquecimento Global

Parâmetro para medir a sustentabilidade no nível do produto

PCF Label

Um índice calculado de forma neutra está disponível há algum tempo para quantificar o grau de respeito ao meio ambiente de um produto: O Índice de Potencial de Aquecimento Global GWP100*.
Esse índice apresenta um valor da pegada de carbono de um produto ao longo de um período de 100 anos. Ele considera as fases do "berço à entrega" e descarte ou reciclagem no fim do ciclo de vida do produto.


*Os valores GWP100 são calculados de acordo com o padrão CT-SSL-GWP-Calculation versão 01 como equivalente de dióxido de carbono usando o potencial de aquecimento global relevante de 100 anos. A avaliação é baseada em avaliações de ciclo de vida (ACV) usando bancos de dados como o GaBi. O modelo é baseado no padrão do protocolo de gases de efeito estufa (GHG) e segue a ISO 14067:2018. Fases do ciclo de vida consideradas: Berço ao Portão (Escopo 1,2,3) + Fim de vida. No futuro, cálculos mais precisos permitirão maior grau de diferenciação e, portanto, podem levar a resultados divergentes.

Download